WordPress: presença no mercado político nacional

Desenvolvimento | Por Felipe Elia em 09/12/2016
WordPress: presença no mercado político nacional

No dia 16 de novembro apresentei para o pessoal do Curitiba WordPress Meetup um levantamento que fizemos sobre a presença do WordPress em sites da política nacional, com foco nas eleições desse ano aqui em Curitiba – PR.

Como surgiu a ideia

A presença do WordPress é absurdamente grande: é o gerenciador de conteúdo de mais de 58% dos sites que utilizam algum desses sistemas e é usado em mais de 27% de todos os sites. De. Todos. Os. Sites.

Pouco antes das eleições municipais, navegando pelo site do atual prefeito reparei que o site era feito em WP. Visitando os endereços dos pré-candidatos reparei novamente a presença da ferramenta. Pesquisei sobre o uso do WordPress para a finalidade política e, aparentemente, ainda não havia nada organizado sobre o assunto.

Dados coletados e análise

Felipe EliaInfelizmente ainda não há nenhum lugar onde se possa consultar qual é o domínio dos atuais ocupantes de cargos públicos. O trabalho de levantamento nesse sentido foi totalmente manual, entrando nos sites tanto de cada um dos três poderes quanto no do TSE para a coleta dos nomes. Na sequência pesquisamos no google pelo nome e cargo e analisamos as primeiras e segundas páginas. Quando havia alguma rede social checamos para ver se existia um domínio indicado.

Para determinar se um site era ou não em WordPress começamos com um processo também rudimentar – analisando diretamente o código-fonte – e depois evoluímos para o uso de algumas ferramentas como o BuiltWith e a extensão Sniffer Plus do Google Chrome.

Estamos disponibilizando um arquivo .zip com o resultado de todos os levantamentos.

Situação atual

Para entendermos melhor o alcance do WordPress neste cenário político, dividimos a apresentação em 4 partes: os partidos e cada um dos três poderes, ou seja, Executivo, Judiciário e Legislativo.

Partidos

O Brasil tem atualmente 35 partidos, somando mais de 16 milhões de filiados. Destes trinta e cinco, 23 utilizam WP, ou seja, quase dois terços do total. PMDB, PT e PSDB, os três maiores em número de filiados, utilizam a ferramenta.

Executivo

No Executivo não é diferente, o site do atual presidente Michel Temer é feito em WordPress, assim como a maioria de seus antecessores: Dilma, Lula, Collor e Sarney usam WP.
Em Curitiba temos tanto o governador do estado Beto Richa quanto o prefeito Gustavo Fruet também utilizando o gerenciador de conteúdo.

Judiciário

Como o cargo é vitalício e a necessidade de visibilidade é diminuída, a maioria dos ministros do STF não possuem site, com exceção de Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso, sendo esse último utilizador do WordPress.

Legislativo

Nas várias esferas do poder legislativo – federal, estadual e municipal – podemos notar a presença forte do WordPress, juntamente com a facilidade e proximidade ao eleitor que o Facebook proporciona. Aqui, como temos o maior número de envolvidos, podemos ver que muitos lançam sites para a campanha e, depois de eleitos, o abandonam, ficando apenas com o domínio e nada para exibir. Embora a presença do Joomla não tenha passado despercebida, o WordPress ainda é, disparado, o CMS mais utilizado para criação dos sites dos deputados federais, senadores, deputados estaduais e vereadores.

Vale ainda o destaque para os presidentes das casas à época: tanto Rodrigo Maia (DEM) quanto Renan Calheiros (PMDB) utilizam o WordPress.

Eleições 2016 – Curitiba

Durante o período eleitoral de 2016 tentamos analisar os sites criados para as candidaturas, tanto para prefeito quanto para vereador.

Prefeitura

Curitiba teve um total de 8 candidatos aptos, tendo 6 deles utilizado WordPress para a criação de seus sites. A divisão entre temas próprios e comprados foi equilibrada: três em cada lado. Destaque para o site da candidata Maria Victoria (PP), que utilizou o Odin, framework para criação de temas desenvolvido pelo Grupo WordPress Brasil.

Vereadores

Embora o total de vagas seja pequeno (38), Curitiba teve 1066 candidatos aptos a concorrer na eleição deste ano. Analisamos 180 e notamos que somente uma minoria possuía site, havendo preferência pelo Facebook, provavelmente pela ausência de custo e facilidade de manutenção.

Conclusão

Política é um mercado sazonal: de dois em dois anos temos uma nova eleição que traz necessidade de marketing, presença digital e uma quantidade enorme de pessoas precisando desenvolver novos sites ou reformar os antigos. A julgar pelos sites criados para os vereadores neste ano, não há nenhuma uniformidade ou tutela dos partidos aos candidatos na área de comunicação digital, havendo espaço para concorrência, embora pareça óbvio que o caminho para chegar no maior número de candidatos passa pela prospecção dentro dos próprios partidos. As eleições municipais parecem uma boa porta de entrada para o mercado político: a necessidade de cuidados com segurança e aspectos legais são bem diminuídas, se comparadas com a disputa para cargos de maior relevância.

O WordPress é ideal para sites de políticos: fácil de usar, exibe bem conteúdos diversos e, se bem feito, é ótimo para um bom posicionamento no Google. Embora uma boa parte prefira utilizar somente o Facebook, quem cria um site ganha em credibilidade. Então, vamos começar a pensar em 2018?

Agradecimentos

 

Curitiba WordPress MeetupA necessidade de atenção e as buscam extremamente artesanais para o levantamento dos endereços não seriam possíveis sem a ajuda de Caiari Tolotti. Agradeço também ao Curitiba WordPress Meetup, nas pessoas de Daniel Kossmann e Águida Santana, por gentilmente cederem espaço para a apresentação dos resultados e ainda ao Jaime Biernaski pelas fotografias.